VHS e PCR: quando solicitar?

A velocidade de hemossedimentação (VHS) é um exame laboratorial que mede inflamação sistêmica de qualquer causa: infecciosa, inflamatória, alérgica, neoplásica, entre outros. A proteína C reativa (PCR) também é inespecífica e mede inflamação sistêmica, mas de caráter agudo. Ambas são conhecidas como provas inflamatórias de fase aguda porque refletem a presença de inflamação ativa e sistêmica.

Então, quando solicitar VHS e PCR?

Todas as vezes que suspeitarmos de doenças que cursam com inflamação sistêmica, ainda sem diagnóstico claro: doenças infecciosas agudas (gripe, sinusites bacterianas, tuberculose ativa ou crônica), doenças autoimunes (artrite reumatoide ou lúpus), doenças metabólicas inflamatórias (gota) e neoplásicas (linfomas, tumores sólidos em atividade).

O VHS pode elevar-se com a idade (idosos podem ter VHS até 30m sem a presença de doença inflamatória), e na gravidez, devido à embebição gravídica. Já o PCR pode apresentar-se falsamente baixo em pacientes que fazem uso de drogas imunobiológicas que bloqueiem, a interleucina 6 (tocilizumabe), por exemplo.  

Portanto, fica claro que VHS e PCR devem ser solicitados todas as vezes que se desejar fazer diagnóstico diferencial entre doenças que apresentem quadro clínico semelhante. Um bom exemplo é a importância de se solicitar VHS e PCR para pacientes com artrite. Pode tratar-se de osteoartrite (doença que não apresenta inflamação sistêmica) ou artrite reumatoide (doença que cursa com inflamação sistêmica). Outro bom exemplo é o diagnóstico diferencial entre fibromialgia e polimialgia reumática. O primeiro apresenta VHS e PCR normais, enquanto a polimialgia apresenta VHS bastante elevado por tratar-se de doença inflamatória sistêmica.

Referências
  • Rosa NC. O uso de provas de atividade inflamatória em reumatologia. Rev Bras Reumatol. 2009;49(4):413-30.
  • Irving KMD. Acute phase reactants [Internet]. UpToDate Inc.; 2019 [atualizado em 1 Mar. 2019]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/acute-phase-reactants.
  • Wians FH. Clinical laboratory tests: which, why, and what do the results mean? Lab Med. 2009;40(2):105–113. DOI: 10.1309/lm4o4l0hhutwwudd.