Quando fazer o pedido do FAN?

O Fator Antinuclear (FAN) é um exame para a pesquisa de autoanticorpos no soro contra antígenos próprios, intracelulares, localizados no núcleo, nucléolo, citoplasma e/ou aparelho mitótico. É uma ferramenta utilizada para o rastreamento de pacientes com suspeita de doença autoimune.

No entanto, muitas vezes esse exame é solicitado indiscriminadamente e, na maioria dos casos, não tem utilidade na conclusão do diagnóstico. O FAN pode ser positivo em uma porcentagem de indivíduos sem evidência clínica ou laboratorial de doença autoimune, ou seja, falso-positivo.

Então, quando solicitar o FAN?

O FAN deve ser solicitado apenas para pacientes com história clínica, exame físico e dosagem de proteínas inflamatórias (hemossedimentação e/ou proteína C reativa elevadas) que levem à suspeita de doença inflamatória sistêmica, possivelmente de causa autoimune. Os pacientes candidatos à solicitação do FAN podem apresentar quadro clínico ou manifestações como as seguintes:

  • Artrite com febre;
  • Glomerulonefrite;
  • Patologia multissistêmica não explicada;
  • Anemia, leucopenia, trombocitopenia sem causa aparente;
  • Psicose e/ou convulsão não havendo uso de drogas ou alterações metabólicas;
  • Síndrome seca (olhos secos, boca seca, manifestação articular);
  • Fenômeno de Raynaud;
  • Esclerose sistêmica;
  • Púrpura palpável;
  • Lesões discoides;
  • Pleurite, pericardite;
  • Miosite sem causa provável;
  • Lesões cutâneas em áreas fotossensíveis.

A solicitação do FAN para paciente com queixas vagas pode levar a mais confusão do que contribuir para o raciocínio clínico, uma vez que a positividade do FAN não representa necessariamente autoimunidade.

O que significa o padrão do FAN?

O padrão do FAN pode dar uma pista sobre o autoanticorpo a ser encontrado e definir a doença autoimune. Veja alguns exemplos:

  • Padrão centromérico – é caracteristicamente encontrado em pacientes com CREST, variante da esclerodermia;
  • Padrão homogêneo – caracteriza a presença de anti-DNA nativo, autoanticorpo lúpus eritematoso sistêmico;
  • O padrão pontilhado fino denso – é muito frequente na prática, mas pode não determinar doença, pois está presente em um percentual elevado de pacientes sadios.

Referências

  • ANDRADE, L. E. C. et al. The V Brazilian consensus guidelines for detection of anti-cell autoantibodies on hep-2 cells. Advances in Rheumatology, São Paulo, v. 59, 2019.
  • TAN, E. M. et al. Range of antinuclear antibodies in “healthy” individuals. Arthritis & Rheumatology, v. 40, n. 9, p.1601-1611, 1997.